CAMPANHA DE OUTUBRO: 88%

  CANAIS
  Agenda
  Galeria de Fotos
  Grupos de Oração
  Liturgia Diária
  Liturgia das Horas
  Notícias
  Orações
  Pedido de Oração
  Santo do Dia
  Sites Católicos
  Web Radio
  Web TV
  FORMAÇÕES
  A favor da vida
  Família
  Jovens
  Marianas
  Querigma
  Sexualidade
  NOSSA IGREJA
  Francisco
  Bento XVI
  João Paulo II
  Novas comunidades
  Renovação Carismática
   
   
   

Existe o sexo seguro?



17 fevereiro, 2016


Infelizmente muitos estão sendo enganados, especialmente os nossos jovens, quando pensam que a “camisinha” previne seguramente contra a contaminação do vírus HIV da AIDS; e cria-se assim a ilusão do “sexo seguro”.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) já avisou que os preservativos não impedem totalmente a contaminação do vírus, uma vez que esses são muitíssimos menores que os poros do látex de que são feitas as camisinhas.

A revista Seleções (dezembro de 1991, pp.31-33), trouxe um artigo do Dr. Robert C. Noble, condensado de Newsweek de Nova Iorque (1/4/91), que mostra como é ilusória a crença no tal “sexo seguro” com a camisinha.

A pesquisadora Dra. Susan C. Weller, no artigo A Meta-Analysis of Condom Effectiveness in Reducing Sexually Transmitted HIV, publicado na revista Social Science and Medicine, (1993, vol.36, issue 12, pp.1635-1644), afirma:

“Presta desserviço à população quem estimula a crença de que o condom (camisinha) evitará a transmissão sexual do HIV. O condom não elimina o risco da transmissão sexual; na verdade só pode diminuir um tanto o risco”.

“As pesquisas indicam que o condom é 87% eficiente na prevenção da gravidez. Quanto aos estudos da transmissão do HIV, indicam que o condom diminui o risco de infecção pelo HIV aproximadamente em 69%, o que é bem menos do que o que normalmente se supõe” (PR, n° 409/1996, pp. 267-274).

Isto significa que, em média, três relações sexuais com camisinha têm o risco equivalente a uma relação sem camisinha. Convenhamos que é um alto risco, já que a AIDS não tem cura ainda. É uma “roleta russa”.

O Dr. Leopoldo Salmaso, médico epidemiologista no Hospital de Pádua, na Itália, afirma que: “O preservativo pode retardar o contágio, mas não acabar com ele” (idem) .

Pesquisas realizadas pelo Dr. Richard Smith, um especialista americano na transmissão da AIDS, apresenta seis grandes falhas do preservativo, entre as quais a deterioração do látex devido às condições de transporte e embalagem. Afirma o Dr. Richard que:

“O tamanho do vírus HIV da AIDS é 450 vezes menor que o espermatozóide. Estes pequenos vírus podem passar entre os poros do látex tão facilmente em um bom preservativo como em um defeituoso” (Richard Smith, The Condom: Is it really safe saxe?, Public Education Commitee, Seattle, EUA, junho de 1991, p.1-3)

A Rubber Chemistry & Technology, Washington, D.C., junho de 1992, afirma que: “Todos os preservativos têm poros 50 a 500 vezes maiores que o virus da AIDS”.

Vemos, portanto, que é irresponsável, cientificamente, dizer que a camisinha garante o “sexo seguro Como disse o Dr. Lino Ciccone, professor da Universidade de Lugano, na Itália:

“Não se faça caridade jamais às custas da verdade, nem se imponha a verdade voltando as costas à caridade”.

Prof. Felipe Aquino
Fonte: Cléofas

  • Twitter
  • del.icio.us
  • Facebook

Deixe um comentário

   
Curta a Sagrada Famlia Siga-nos @contatosagrada Veja nossas fotos Assista nossos vdeos