BEBIDA ALCOÓLICA E IGREJA

Olá pessoal,

Obrigado por visitar nossa página e meu blog.

Na história de nossa comunidade,  praticamente desde seus inícios, abolimos de nossas convivências e festas a bebida alcoólica. Os resultados de sua presença nas festas era sempre negativo. Como somos uma comunidade que tem por Carisma o Resgate da Família, não é coerente que tenhamos em nosso meio a tal da “mardita!” que tantos males faz nas famílias!!!

Será que, nós como Igreja, sejam paróquias ou comunidades, perdemos a capacidade de acreditar no poder do Espírito Santo e sua criatividade para atrair e congregar os filhos de Deus em torno de sua Igreja, que precisamos usar de subterfúgios, pouco “católicos” e por vezes até imorais?! e chegamos a pensar, por exemplo, que nossas festas beneficentes tem que ser regadas a alcoól e jogatinas – tipo bingo!!!

 Indico a vocês a leitura do artigo a seguir, muito bem escrito por D. Redovino – Bispo da Diocese de Dourados/MS sobre essa questão. Vale a pena refletir.

A Igreja Católica e suas festas nem sempre religiosas – Dom Redovino
No dia 8 de julho, recebi uma carta de um leigo cristão de nossa Diocese, questionando o uso de bebida alcoólica nas festas promovidas pela Igreja. Transcrevo-a sinteticamente:«Há duas semanas, entrou em vigor a lei 11.705, que altera o CTB em relação ao uso do álcool. Ontem, durante o encontro do nosso grupo de reflexão, surgiu um questionamento sobre a posição da Igreja diante do consumo de bebida alcoólica nas festas religiosas.Hoje, nos deparamos com um fato novo, que é a vigência da nova lei, a qual, no primeiro momento, já demonstrou os seus benefícios Como procederá a Igreja diante deste fato novo? Continuará a promover suas festas servindo bebidas alcoólicas?Uma das festas de grande expressão em nossa cidade é a de São Cristóvão (padroeiro dos motoristas), justamente aqueles a quem a lei vem regulamentar o comportamento quanto à utilização do álcool. Como católico praticante, rezo para que, um dia, todas as nossas paróquias possam abolir totalmente, de suas festas, a venda de bebidas alcoólicas».Se se pudesse brincar com assuntos sérios – mas não convém, até mesmo para não fugir do problema –, eu começaria dizendo que nasci em Bento Gonçalves, a cidade que diz produzir o melhor vinho da América Latina! Acrescentaria que o primeiro milagre operado por Jesus aconteceu exatamente numa festa de família, ocasião em que transformou em torno de 500 litros de água em vinho – e do bom, como se apressa a esclarecer o Evangelho. Para seus adversários, Jesus não passava de um «glutão e bebedor de vinho» (Lc 7,34). Por sua vez, São Paulo não hesitou em dar um conselho inesperado ao bispo Timóteo: «Deixa de beber somente água; toma um pouco de vinho para facilitar a digestão e superar tuas freqüentes doenças» (1Tm 5,23). Mas, como se sabe, a Bíblia é um oceano infinito, onde cada um pesca o que quer. Por isso, se nela encontramos elogios ao vinho, há também inúmeras páginas que o condenam veementemente. Para não cansar o leitor, cito apenas São Paulo, o mesmo que aconselhou Timóteo a não beber apenas água. Aos fiéis leigos, dizia: «Não vos embriagueis com vinho, o pai da luxúria» (Ef 5,18). Aos eclesiásticos, acrescentava: «O bispo deve ser sóbrio, não dado ao vinho nem violento» (1Tm 3,3). Por fim, às mulheres (pois a embriaguez não é privilégio dos homens), pedia que «não fossem escravas da maledicência e da bebida» (Tt 2,3).Como se percebe, para São Paulo os efeitos perversos do álcool são a luxúria, a violência e a maledicência.Se todos fôssemos adultos e maduros, não haveria problemas. Saberíamos quando beber e quando parar. «Virtus in medio: a virtude está no equilíbrio» repetiam os antigos latinos. Nem sempre a renúncia aos bens criados por Deus é sinal de santidade. Há momentos e situações em que ela é necessária, em vista de um ideal superior; mas, na normalidade do dia-a-dia, Deus pede apenas que deixemos de lado o que impede o crescimento da humanidade. Dado, porém, que a fraqueza humana é grande – o próprio Jesus falou que «o espírito é forte, mas a carne é fraca» (Mt 26,41) – é sempre mais prudente evitar as ocasiões, pois «quem abre um buraco, nele cairá» (Pr 26,27).Infelizmente, há festas religiosas em que se tem a impressão que sua finalidade principal seja o dinheiro, tanto que seu resultado positivo ou negativo é medido pelo número de caixas de cerveja vendidas… Não poucas vezes, seus próprios organizadores são os que incentivam o uso e o abuso do álcool. Não será por isso que algumas dessas festas terminam em brigas e assassinatos – ou seja, exatamente o contrário do motivo pelo qual deveriam existir?Uma síntese do que penso a respeito é dada pelo “Diretório Administrativo Diocesano”, em vigor desde o dia 1° de janeiro de 2004:«Para a sustentação da Diocese e de cada comunidade, em primeiro lugar, deve-se organizar a contribuição normal e permanente dos membros da comunidade através do dízimo. As outras promoções, como campanhas, festas, quermesses, etc., também têm o seu significado e importância, não apenas pelo seu rendimento econômico, mas, sobretudo, pelo seu valor de confraternização e participação do povo.Nestes momentos fortes de confraternização, as comunidades precisam ter o cuidado de não cometer exageros que provoquem maus exemplos ou escândalos, como, por exemplo, o comércio exagerado e sem escrúpulos de bebidas alcoólicas, motivo de constrangimentos em muitas comunidades. Os próprios bailes – a não ser os estritamente familiares – não parecem adequados para congraçar a comunidade e construir o Reino de Deus. Os fins não justificam os meios».* Dom Redovino Rizzardo, 69, é bispo de Dourados (MS)

Fonte: http://www.cnbb.org.br/index.php?op=pagina&chaveid=010c0000410

Esta entrada foi publicada em Artigo, Palavra do Fundador. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

10 respostas a BEBIDA ALCOÓLICA E IGREJA

  1. alessandro disse:

    ola rapaz sua colocaçao foi muito boa gostei muito
    porque o alcool nao e bom em lugar nem um …
    so e bom no carro ok … e na igreja nao e certo vcs catolicos estarem bebendo bebida no patio da igreja nem em festa e nem em lugar algum ok … vai mesmo neste pensamento quer vc vai ser bem colocado por Deus o todo poderoso ok abraços …….fica com Jesus

  2. Andréia de Assis Lima disse:

    Gostei Muito da matéria.
    Estamos fazendo um abaixo assinado contra a venda de bebida nas festas da igreja.
    E estamos com difuculdades.
    Pois o padre não quer que façamos, e está ameaçando de fechar o grupo de jovens.
    Porém nós não temos medo de perder o grupo, o que queremos é a santidade da igreja.

  3. kariza disse:

    materia muito boa.
    estou com esse problema aqui na minha paroquia.disseram que irao vender bebida alcoolica na fesa da padroeira,e o pior é que a maioria esta aceitando,ate mesmo o responsavel,diacono da comunidade.
    ainda nao ficou decidido,espero que voltem atras,pois se for assim decidi que nao piso mais la.

  4. MARLI disse:

    Olá! Eu também gostaria que nas festas de igreja não tivesse bebida ou bingo.Assim como os pais devem dar exemplos a seus filhos, a igreja também a seus fiéis. É muito triste vermos um padre bebendo ou fumando! Rezemos muito pelos nossos religiosos e religiosos. Precisam muito de nossas orações.Devemos amá-los muito.

  5. ROSILENE disse:

    EU CONCORDO, NAO SE DEVE INCENTIVAR O VICIO A IGREJA TEM QUE DAR EXEMPLOS, NAO PODE DEIXAR QUE AS COISAS DO MUNDO DESTRUA SEUS FIEIS.

  6. OCIMAR ROZON DE LIMA disse:

    DEUS ABENÇOE AQUELES QUE PENSAN DESSA FORMA, É UM CONTRA TESTEMUNHO E TANTO PARA A NOSSA IGREJA, NOSSA PAROQUIA POR EXEMPLO PASSOU 10 ANOS NA SOBRIEDADE, INFELIZMENTE CHEGOU UM PADRE EQUIVOCADO E MAL FORMADO, E VOLTOU AS FESTAS C ALCOOL, ACABOU C A PASTORAL DA SOBRIEDADE, MAS NAO FOI NADA NAO. A MAO DE DEUS PESOU SOBRE ELE, NA OUTRA SEMANA APÓS A FESTA O BISPO TRANSFERIU ELE, GRAÇAS A DEUS DESSE FICAMOS LIVRE.

  7. janete maria xavier rodrigues pederiva disse:

    Boa noite! esta materia e muito importante, pois concordo plenamente, que o alcool nao é necessario em festa religiosas, alias em lugar algum, pois como o padre pode dar sermoes, retiro de cura e libertacao e depois dar a motivacao p/ o consumo, e qdo tem festas em algumas paroquias nem reconhecemos certos padres que estao sentados atraz de latas e mais latas de cervejas. sempre vou somente p/ analizar e fico a questionar como e uma coisa tao insignificante bebeeeeeeeeeeer e depois uninarrrrrrrrrrrrr e R$ jogado forar e a busca do inimigo p/ a vida, so Jesus p/ ter misericordia.Amem.

  8. CLÁUDIO-RJ disse:

    Meus irmãos: O álcool é uma praga que precisa ser exterminada das nossas paróquias, tenho resistido com alguns irmãos na paróquia que atuo, mas há um forte movimento para que a cerveja volte às nossas festas. Rezem por nós e principalmente pelo clérigos que são a favor da cerveja. A nossa Igreja é chamada a anunciar vida e salvação e não a morte e a queda.

  9. Maria de Fatima de Jesus disse:

    Eu sou contra a venda de bebidas alcoolica nas igrejas

  10. Maria de Fatima de Jesus disse:

    Eu sou contra a venda de bebidas alcoolica nas igrejas nós que pregamos a favor
    da vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>